[TOP 10] Jogos obscuros de Super Nintendo

Por Lobim em 5 de julho de 2013

Saudações caríssimos leitores. Eis que apareço de meu esconderijo longínquo para informar-lhe sobre alguns jogos obscuros de Super Nintendo. Não falo de coisinha miúda, falo de verdadeiras pérolas! Pérolas que apenas os grandes conhecedores do sistema conhecem... ou talvez nem eles.



10º lugar

RPM Racing: Achou que Rock N' Roll Racing era um jogo totalmente original? Não querendo desmerecer os méritos do mesmo, mas é visível que RPM Racing foi essencial para que o agraciado jogo de corrida da Silicon & Synapse (atual Blizzard) fizesse sucesso. Por quê? É simples, RPM Racing é muito ruim. A jogabilidade é lenta, as corridas são demoradas, seu carro é destruído rapidamente e não há músicas durante as fases. Felizmente, tudo isso foi arrumado em Rock N' Roll Racing... que talvez não fosse o mesmo se não existisse essa desgraça.


9º lugar

E.V.O. - Search for Eden: A Enix conseguiu neste jogo dar noções, de uma maneira bem alegórica e divertida, sobre adaptação e evolução dos seres vivos. Tome este como o verdadeiro jogo da evolução. Uma grande pérola, razoavelmente desconhecida, que mostra que video games também podem dar um pouco de aula de história e biologia. Aqui você controla um ser vivo (inicialmente um peixe) criado por Gaia, tendo como finalidade batalhar para sobreviver, necessitando, dessa forma, evoluir progressivamente. Acredite, o jogo vai muito além disso, apenas quis resumir o jogo grosseiramente.


8º lugar

Bing Bing! Bingo (Super Famicom): Este é um jogo mais peculiar do que divertido de fato. Nele temos 7 jogos, sendo 4 modalidades diferentes de Bingo (de cartela!), um Whack-a-mole, um braço de ferro e um jogo de aposta de cavalos. As diferentes formas de jogar bingo que me instigaram a colocá-lo nessa lista, pois percebe que o jogo teve um bom trabalho feito em cima do mesmo... e até que é divertido! Pelo menos, mais divertido do que se for jogar Shaq Fu ou alguma lástima semelhante. Se algum dia sentir uma vontade profunda de jogar bingo, não deixe de conferir.



7º lugar

Legend: Um beat'n up medieval bem desconhecido que foi lançado no ocidente. Claro, não se compara com a dinâmica de King of Dragons ou Knights of the Round, mas não deixa de ser um jogo interessante. Tem um velocidade que me lembrou bastante a de The Peace Keepers (Rushing Beat Shura), com uma dificuldade a nível do primeiro Sonic Blast Man. Não os conhece? São alguns jogos de pancadaria que o SNES oferece, com certeza mais conhecidos que o Legend. Não deixe de conferi-los também.


6º lugar

The Firemen: Classificado por sites especializados como um jogo de ação-aventura moderno, sendo o único do sistema que tem esta classificação. Neste jogo, você controla um bombeiro de nome Pete que, junto de seu parceiro Daniel, tem como objetivo evitar que o prédio de uma companhia química venha abaixo. O jogo é relativamente difícil e tem músicas empolgantes. Mesmo contendo uma única missão (dividida em 6 fases de aproximadamente 10 minutos cada), The Firemen pode lhe oferecer alguns bons minutos de diversão.


5º lugar

Marchen Adventure Cotton 100% (Super Famicom): Lançado apenas no Japão, Cotton 100% segue o estilo shoot'n up (jogo de navinha) horizontal. Você controla uma bruxa (que reúne diversas "fadinhas", atuando como os "Option" de Gradius) que precisa destruir os inimigos que aparecem diante de você. O jogo é bem bonito graficamente, tem uma jogabilidade bem fluída e revela-se como uma pérola desconhecida que saiu apenas na terra nipônica. Para quem gosta do gênero, vale a pena dar uma conferida numa oportunidade.


4º lugar

Rendering Ranger R2 (Super Famicom): A ideia de um jogo de tiro de plataforma com os gráficos renderizados no estilo Killer Instinct ou Mortal Kombat lhe parece interessante? No final do ano de 1995, no Japão, saiu Rendering Ranger R2, um jogo que tem mais ou menos essa premissa. O jogo é meio que uma mistura de Super Turrican com Contra III, sem muito exagero, já que o jogo é bom mesmo. Ele alterna entre plataforma e shoot'n up no decorrer das fases. Foi um dos jogos que mais se utilizou do hardware do Super Famicom, vale a pena conferir numa oportunidade, ainda que a versão original tenha um preço bem salgado...


3º lugar

Soldiers of Fortune: Esse aqui é um jogo que chama a atenção pelo fato de precisar obrigatoriamente ser jogado em dois jogadores... caso você esteja sozinho, seu companheiro é uma CPU em que eu, particularmente, achei com uma IA muito baixa. Jogando com uma visão no estilo dos primeiros GTAs, seu objetivo é matar monstros e recuperar um número determinado de bases por fase. É um jogo cooperativo obscuro e divertido, se você tiver alguém com quem jogar, é uma boa pedida, para variar um pouco das jogatinas clássicas de Top Gear, Final Fight ou Street Fighter.


2º lugar

Sanrio World Smash Ball! (Super Famicom): Trata-se de um jogo de esporte da galera da Hello Kitty e do Keroppi. Ainda que com essa simples descrição pareça uma lástima, é um jogo muito divertido. O esporte aqui parece uma espécie de gol a gol como aqueles jogos de hóquei que tem nos shopping, mas as fases são bem diferentes entre si, fornecendo-lhe vários tipos de desafio. Não tive a oportunidade de jogá-lo com outra pessoa, entretanto, parece-me que o modo multi-jogador deve ser muito bom.



1º lugar

Majuu Ou (Super Famicom): Outra grande pérola nipônica. Temos aqui uma mistura de Demon's Crest com Total Carnage, pois ao mesmo tempo que o seu indivíduo pode atirar ele também sobre uma espécie de metamorfose a medida que enfrenta os chefes das fases. A primeira vista pode apenas parecer mais um joguinho de plataforma estranho, como muitos que existem no sistema, mas confesso que fui surpreendido por esse aqui e não é a toa que deixei como primeiro lugar da lista de jogos obscuros. Além disso, ele parece ter uma história demasiada interessante também, entretanto, é claro, ela é toda contada em japonês.


Menções honrosas


Metal Warriors: Um dos melhores jogos de plataforma do sistema, Metal Warriors utiliza-se muito bem de praticamente todos os comandos do controle de uma forma muito agradável. Com excelentes gráficos e um nível de dificuldade acentuado, esta é uma pérola imortalizada no Super Nintendo, sendo uma verdadeira fórmula para demais jogos de plataforma. Não deixe de dar uma conferida em uma oportunidade.


The Shadow: Um digno beat'n up (jogo de pancadaria) que não poderia faltar em meio a essas pérolas obscuras. Com uma dificuldade acentuada e um clima bem sombrio, este é um jogo que pode lhe surpreender pela variedade de opções contidas nele (como os vários tipos de golpes especiais e por ter momentos em que você pode atirar em seus oponentes), ainda que haja pouca diversidade de inimigos. Pode não ser um Final Fight 3, mas ainda assim pode lhe entreter um tanto, pelo menos até você morrer, coisa que não é muito difícil de acontecer. Não deixe de conferir numa oportunidade.


Space Megaforce: Super Aleste (nome japonês), junto de Axelay, são considerados os melhores shoot'n ups verticais do sistema. Possuindo um carisma parecido com alguns dos preciosos shmups de PC Engine, não considerá-lo nessa lista seria tomá-lo, no mínimo, como um título bem conhecido pelo público. O jogo dispõe de fases relativamente grandes (tanto de tamanho quanto de número) e possui uma grande diversidade de armas disponíveis. Se você gosta de jogos de navinha, vale a pena dar uma conferida.


Star Ocean (Super Famicom): Este é certamente uma grande pérola que o ocidente não viu na época de ouro do Super Nintendo. Trata-se de um dos últimos RPGs lançados para o sistema, em 1996, possivelmente sendo o jogo que mais levou o console ao limite, tanto de espaço quanto de processamento. Infelizmente, é necessário saber japonês para entender o jogo em sua versão original, mas não deixe de jogar e se surpreender em alguma oportunidade.


Até mais,
Lobim